Categorias
Sem categoria

Hemodialise faz o rim voltar a funcionar

São duas as principais utilidades: uma ventura exócrina, ou seja, de higienização dos produtos do metabolismo do nosso corpo. Esses produtos são frequentemente substancias que se maneira após a uso através do nosso corpo dos nutrientes, alimentos que ingerimos. A outra ofício é endócrina, por meio da qual nossos rins produzem uma série de hormônios que controlam por exemplo a nossa pressão arterial sanguínea, a fabricação de sangue pela tutano óssea, a fabricação de vitamina D, etc.


Como acontece esse processamento de coação e higienização do sangue?


Ao nascermos, cada rim possui quase 1 milhão de “ filtros”, fulano termo médico é “ nefrons”. Daí a motivo de que esta estrutura ao se inflamar, chamamos a isso de nefrite. Cada nefron ( filtro ) possui uma estrutura corpuscular que se parece a um novelo de se realizar tricot, que está envolto pela capsula ( couro ) e se comunica com uma estrutura tubulado.

O sangue ao globular por cada nefron ( filtro ), imagina um filtrado do sangue que ao perfazer a estrutura tubulado é aproximadamente todo reabsorvido, deixando não obstante as impurezas para serem excretadas. De sorte que num tempo de 24 horas, os 2 rins produzem 180 litros de uma “ pré-urina”, porém devido a reabsorção tubulado, eliminamos somente 1.5 litros. Ou seja, os rins evidencia uma personalidade extraordinária de isolar-se a urina.

Esta percepção é fundamental para entendermos visto que ao serem lesados, os rins eliminam mais urina e não pouco, ou seja, perdem a personalidade de concentração. Logo, no momento em que uma indivíduo diz: “ urino bastante, logo meus rins precisam ser bons”, não se justifica dentro do publicado. As indivíduos que perdem 90% da personalidade dos rins e fazem por exemplo diálise ( higienização artificial do sangue ), urinam no início do tratamento, cerca de 3-4 litros por dia, devido a esta redução de concentração.


Quais são os vestígios mais precoces de dever das utilidades dos rins?


Lamentavelmente os vestígios e sinais são tardios, ou seja, uma indivíduo pode despossar de 70-80% das utilidades dos rins sem ter qualquer demonstração de atento. Isso acontece visto que com a exterminação dos filtros (nefrons), há uma transposição dos filtros remanescentes que acabam dando conta do frete, até não suportarem mais. Esse ponto similarmente é fundamental visto que as indivíduos precisam saber se pertencem a um grupo de perigo capaz de serem mais propicias a terem qualquer vício renal (vide o artigo Como preservar a saúde dos rins neste site da Academia Nacional de Medicina ).


Não obstante, alguns vestígios e sinais são capazes de nos sobreavisar de que uma coisa está errado:

Geralmente não necessitamos nos provocar à noite para urinar, porém isso ocorre ao perdermos a personalidade de concentração urinária que falamos a pouco. Naturalmente há exceções: indivíduos com “ bexiga jovem ” são capazes de não passar o volume de urina idealizado ao longo a noite ; homens idosos com complicações prostáticos, são alguns exemplos.
Urina “espumosa”.

A partir de que o vaso sanitário não contenha correnteza, a formação de baba na urina ao longo a micção pode mostrar a redução de proteína na urina e ser um demonstração tortuoso que há um dificuldade na dificuldade de coação dos rins.


Pressão arterial grande. Ainda que a grande maior parte da indivíduos com pressão arterial grande “ herde” esta propensão a hipertensão, enfermidades renais são capazes de aumentar a pressão arterial e ser um demonstração tortuoso de enfermidade renal. Isso acontece visto que como dissemos há pouco, os rins produzem hormônios que controlam nossa pressão arterial e similarmente excretam o exagero de sal / água que consumimos.


Fraqueza ou palidez

Uma vício renal pode coarctar a fabricação dos rins de um hormônio (eritropoietina) primordial para proteger-se fraqueza, levando a diminuição a porção de sangue criada. Frequentemente isso acontece nas fases mais tardias da vício renal.

Inchaço ou inchaço

A acúmulo de sal que acontece na vício renal pode fomentar o inchaço nos patas inferiores ou em redor dos olhos. Em algumas enfermidades esta acúmulo de agua e sal é mais transbordante, enquanto que em outras pode ser até quimérico.
Sangue na urina. A figura de sangue na urina num exame microscópico da urina ou patente ao urinar, pode mostrar uma vício renal. Pode ser indireto de um simples palpite ( pedra ) renal ou pode ser uma coisa mais dramático, como uma das formas de nefrites.


Esses são alguns dos vestígios e sinais mais precoces que são capazes de sobreavisar sobre um dificuldade renal.


E se a redução da ofício renal for completo, o que realizar?


Diz-se que há redução completo da ofício renal no momento em que nos resta pouco de 10% da personalidade de coação dos rins. O palpite mais apurado da ofício renal frequentemente é realizado pela coleta de urina de 24 horas com prática de um palpite conhecido por clearance de creatinina.


Nesta ciclo, com pouco de 10% de ofício, os rins não podem mais preservar nosso sangue higienizado e as impurezas se acumulam, causando sinais como náuseas, vômitos, anorexia, indefensabilidade, falta de sono, etc. É um quadro de botulismo.


O ideal é que a redução de ofício dos rins seja detectada mais precocemente, por exemplo, no momento em que também possuimos 25% de ofício renal sobejo. Aí podemos entregar as opções: diálise ( higienização artificial do sangue ) ou transplantação renal. Várias vezes podemos corporificar um transplantação renal desnecessário de mudar pela dialise. Ou seja possível no momento em que possuimos um dador visível ( potencialidade dador na família ).


Na ciclo descrita acima, com pouco de 10% de ofício e já com sinais de botulismo, a dialise é infalível.


Lamentavelmente, no Brasil mais de 70% indivíduos que procuram um profissional chegam tardiamente, necessitando de diálise imediata.


Há 2 tipos principais de diálise:


Hemodiálise: neste tipo de tratamento, há a circulação extracorpórea de sangue que ao mudar por um filtro sui generis, aberta as impurezas do sangue. Esse tratamento frequentemente é realizado em clinicas especializadas, em sessões de 3- 4 horas e com a frequência de 3 vezes na semana.


Diálise peritoneal: neste tipo uma saída liquida sui generis é apresentado no abdômen no qual acontece a afastamento das impurezas. Esse tratamento não envolve circulação extracorpórea de sangue e é o único tratamento hospedar existente no Brasil.


Os 2 técnicas são eficazes e possui os mesmos resultados a prolongado tempo. A decisão é tomada em conjunto com a família e o médico profissional.


Transplantação renal


Embora da diálise escoar o sangue artificialmente, o único tratamento que de fato reestabelece a ofício renal por completo é o transplantação renal. O transplantação proporciona uma melhor qualidade de vida e sobrevida, inclusive maior liberdade, mais força e uma regime pouco restrita no momento em que comparado com a diálise.


O transplantação renal é uma cirurgia no qual o paciente com enfermidade renal recebe um rim de outro individuo ( Figurante 2). Esse novo rim por isso assume o papel dos rins originais. Há 2 tipos de transplantação renal, um com dador visível e outro com dador defunto.

Saiba Mais: Naturalmente, os rins é que fazem este papel importante no corpo humano, limpando e eliminando

O transplantação com dador visível (ex. Privado ) possui os melhores resultados porém para pacientes que não possui potenciais doadores na família, a delonga em uma listagem de doadores falecidos é recomendada. Lamentavelmente, a delonga por um rim de dador defunto pode ser longa por causa de ao grande algarismo de pacientes com enfermidade dos rins e o algarismo ínfimo de órgãos disponíveis.


O essencial dificuldade do transplantação é a negativa, no qual o sistema imune do paciente que recebe o novo rim reconhece o rim transplantado como sendo um órgão excêntrico e tenta destruí-lo. Para evitar a negativa, é preciso ingerir uma conciliação de remédios que acalmam o sistema imune e previnem a negativa. Essa medicamento possui alguns efeitos nocivos inclusive um maior perigo de infecções e certos canceres a prolongado tempo.

Essas remédios a qual chamamos de imunossupressores precisam ser tomados para o resto da vida depois de o transplantação uma vez que a descontinuação mesmo por limitado tempo de tempo (ex. dias) pode provocar a negativa do rim transplantado.


O transplantação renal não é recomendado para todos os pacientes com enfermidade renal frente. Opções de tratamento para cada pessoa precisam ser discutidas com o médico profissional nos rins (nefrologista).

FONTE: https://www.r7.com